Day Off with the actress Inês Curado

By now, most of you may have noticed that I also have a thing for actors/actresses. It’s not that I wish I could be like them (definitely not!), but there’s something about the way they work that really pulls me in. Maybe it’s about the process of performing, maybe it’s about how they do it… I can’t really explain it… but I recently got together with the actress Inês Curado and we talked about it.

It was one of those super hot August afternoons in Lisbon. We ignored the make up and all the fancy production usually involved in a photoshoot, sat down and had a really cool time chatting. But, considering I had my camera with me and the fact that her apartment was super cool, I couldn’t help but to ask her to do a few more shots 😃

As for our conversation, here’s the transcription. Hope you feel as inspired as I did after this lovely afternoon with Inês.

 

Probably you’ve been asked this a few times already, but what does it mean to be an actress?

That’s easy for me: it’s a way of life. When you are an actor, in its true meaning, you have to live as an actor, always. You go to a promenade, you’re an actor, you work at a coffee shop, and you’re an actor… because you are aware of everything. All you want is to see people, the way they talk… hmm, you watch a movie as an actor, you can never turn off… anything you see, you see from an actor’s perspective. Anyone you talk to, you are doing it from a professional perspective, because you are always paying attention to the way the other person moves, how she sits, where she looks at...

 

You never turn off?

Never. I truly believe that. At least, I, I can’t turn off. Maybe there are people who can do it. For me, to turn off, I need to be totally alone, I can’t watch tv, I must be listening to music and then I can turn off.

If I go for a walk, it won’t work, because I’ll be observing the people around.

 

And in your personal life… with your friends, boyfriend, family?

It’s exactly the same thing. Actually, I live with an actor… so, we are always playing, performing. At any moment I can start talking as a Brazilian woman, and then I’m playing a psychotic person… this can seem a bit awkward, because when we are at home, in our daily life, we can’t stop playing like this, which has everything to do with our job. Even with my mother or my family, there are some things that… or even my friends… I’m always copying them, showing what they look like when they lie, or when they’re being honest, or when they are ashamed… because you get fully aware, aware of all those details.

 

Yeah, you are a bit weird… ahaha, I’m kidding!! 

Yes, I think there is a bit of schizophrenia in this line of work… or some bipolarity. 

 

From a creative stand point, I find that really interesting, but at the same time, it must be exhausting...

And it is… even if I really want to, I just can’t turn off. I’ve worked in a store and my biggest amusement there, would be going into characters, the more the better, so that I could see different ways of speaking, accents, dictions… 

I think this is one of those professions that you don’t choose, you are chosen for.

 

In your case, what’s your process like, when it comes to embody a new character?

For me, each work, needs to have: a different voice tone, a smell, every character has a smell… for instance, if you imagine someone super cute and sweet, in my head, that will probably smell to cologne. On the other hand, the character I’m doing now, the smell I chose for her was Sonasol (bleach). Because it’s an intense smell, it can even be uncomfortable, but there’s something of pleasant about it. At least for me it feels like it, just like some people feel the same about gasoline or other things… because this character is full of rage and revenge, she’s kind of an antagonist, so that’s why I chose this smell for her. Every time I’m filming a scene, I always have this smell in my mind, which, expression wise, allows the character to have a whole different physicality. 

There is also the animal. Each character is like a different animal. Because an animal is something you can easily make associations to… like “oh, he’s so sweet, looks like a kitten”, “oh, what a cuteness, just like a teddy bear”, or something totally different, if you have to look more aggressive, like a reptile or something...

And then there are also the gestures. According to each story, there’s a psychologic gesture for pretty much everything. Psychology explains that. Someone who is under domestic violence, is someone who tends to repeat certain gestures. You can pick almost any profile and with the help of psychology, you can use some specific gestures to help making it more real. When I did “Destinos Cruzados” (portuguese soap opera), I played a character that was mistreated by her stepmother and she was always grabbing her own wrists - which is a typical gesture when you misbehave and your parents grab you. So, even if people don’t realize it, all these details can make a character much more interesting.

 

And how do you make the “detox” of a character?

I don’t think I ever do it. As you go doing character after character, there is always something that sticks with you forever. It can be a way of looking or something else… it’s very hard to totally erase a character. Back to “Destino Cruzados”, I spent a year playing the role of someone with low self esteem, always with her head hanging down, and after a good while, I noticed my body doing exactly the same… and this was 6 months after ending the filming! Without realizing, I was already walking in the street like that character.  And I wasn’t like that at all… I did ballet and gymnastics, so I always had this upright posture… but I ended up getting this closed posture because of this character. And I’m still working to correct that. 

 

What about theatre? You spend less time with a character, how does that process work?

I did "teatro de revista" (sorry, i don't there's any accurate translation for this type of play), which is a bit different. Recently I did a show, that went all over the country, where I had to play 12 roles… so, it’s a whole different way of doing things. I played a deaf-mute, a Brazilian, a woman from Porto… all different accents, different body language, it’s a different process… you can’t hold much to the characters and have to know that you need to change in a click. I also played a man… you can’t really own the character… it’s like you borrow it for 2 minutes, one after the other, and you just can’t go as deep as in a tradicional theatre play or in tv. 

 

When you’re on stage, how do you react to the audience? Do you need to feel them or you rather have total silence so you can concentrate better?

I thought I would panic if people talked, but no, I need them. You really need them to talk and look. You have much less concentration when you are rehearsing and there’s no audience. Even that can sound sick… because I don’t really like people staring at me. I thought I was going to collapse when I’d feel them looking at me, but fortunately, that didn’t happen. You really need the audience, and the more, the easier! But it’s also very strange, because then when the show’s over, I don’t want people looking at me again. This doesn’t make much sense, does it? (laughs)

 

What if the room is in total silence, how do you feel?

For instance, in this “revista” show… we needed silence. Silence is something you usually need in theatre. But there are moments in which your work depends on people’s laughs. If they don’t laugh when they’re supposed to, then you’re doing something wrong. So, you really need anything they have to give you. The silence, when it’s supposed to be silence, the seriousness when it’s meant to be serious, the laughs when it’s a comic scene… and the audience knows what they have to do in each situation. So, you need it all, with a bit of reason. Just like in life… one day, you might need a friend that will make you laugh but maybe in another day, that friend will just have to respect your need for silence. You really need that, just like we all need each other in life.

 

Many people think that being an actor is about following a script. I know it’s not like that, but can you tell me a bit more about what you do to feed your creativity? What do you do in order to be as ready as possible for your next roll? Most of the times, you are not given that much time to get prepared for a new character...

Yes, we don’t have that much time to prepare ourselves, but the little time we have, we know exactly what to do with it. For instance, this character I’m currently playing… it was given to me on a Friday and we started recording on the Monday after. But as I see this as a daily work… i mean, you exist every day, you go out every day, you talk to people, you meet people, you watch tv… you do these things every day, so you are always working on something. Then there are the workshops that you take every now and then to try and learn new things and the more, the better. That’s how we keep reinventing ourselves, when we go to classes or when we do a different workshop with a different method. Even if we don’t totally like it, we keep what seems important to us. And then, when you get a new roll and there’s no time to prepare it… that very little time you have… it’s always you, the whole you, in every thing you do, just like Fernando Pessoa would have said 😃

If you want to see more of Inês Curado, you can check HERE some of the photos of the first time we worked together. And you can also follow here on Instagram: @icurado

ines curado
ines curado
ines curado
ines curado

 

Quem já acompanha o meu trabalho, já terá reparado que eu tenho um certo fascínio por actores/actrizes. Não é que eu gostasse de ser como eles/as (não mesmo!), mas há algo naquilo que o trabalho deles envolve, que me atrai bastante. Talvez seja o processo da representação em si, talvez seja a forma como o fazem... não sei ao certo… mas, recentemente, estive com a actriz Inês Curado e falámos sobre isso.

Foi numa daquelas tórridas tardes de Agosto, em Lisboa. Deixámos de lado a maquilhagem e toda aquela produção que normalmente se vê nas sessões para as revistas, sentámos-nos na sala dela e passámos uma belíssima tarde na conversa. Mas como tinha a máquina comigo e o apartamento dela é altamente inspirador, não pude deixar de aproveitar para a fotografar naqueles recantos 😃

Quanto à nossa conversa, aqui fica a transcrição. Espero que gostem e que no final, se sintam tão inspirados quanto eu, depois desta maravilhosa tarde com a Inês.

 

Já te devem ter feito esta perguntas imensas vezes, mas o que é para ti ser actriz?

Para mim é fácil: é tão simples como um modo de vida! Quando és actor, no verdadeiro sentido da palavra, tu vives sempre a ser actor. Vais a uma esplanada e és um actor, trabalhas no café e és actor… porque tu estás atento a tudo. Só queres é ver pessoas, a forma delas falarem… hmm, tu vês um filme como actor, tu nunca consegues desligar… qualquer coisa que vejas, vês de uma perspectiva profissional. Qualquer pessoa com quem converses, estás a conversar e tens um lado profissional nisso, porque estás atento ao que a pessoa faz com as mãos, como é que ela se senta, para onde é que ela olha…

 

Nunca desligas?

Nunca desligas. Eu acredito mesmo! Eu nunca desligo, falo por mim. Talvez existam pessoas que conseguem desligar. Eu para desligar, preciso de estar totalmente sozinha, não posso estar a ver televisão, tenho de estar por exemplo, a ouvir música e só aí, é que eu consigo desligar. 

Se eu estiver numa esplanada, se eu estiver a dar um passeio, estou com total atenção a todas as pessoas que estão a passar por mim. 

 

E na tua vida pessoal… com os teus amigos, namorado, família?

É exactamente a mesma coisa. E aliás, eu vivo com um actor… ou seja, as nossas brincadeiras são todas numa base de interpretação. De repente estou a falar uma brasileira, como de repente estou a fazer alguém com alta psicose… isto acaba por ser totalmente sinistro, porque nós em casa no nosso dia a dia, não paramos de fazer estas brincadeiras, que tem tudo a ver com aquilo que fazemos na nossa vida profissional. Mesmo com a minha mãe ou com a minha família, há sempre coisas que… até com os meus amigos… sou eu a imitá-los, a mostrar o que eles fazem quando mentem, quando estão a ser honestos, quando estão com vergonha… porque tu ficas super alerta, super atento a isso.

 

Pois, vocês são um bocado doentes… ahaha, estou a brincar!!

Sim, eu acho que há um quê de esquizofrenia na nossa profissão, ou uma bipolaridade. 

 

Do ponto de vista criativo, acho isso super interessante, mas ao mesmo tempo deve ser altamente extenuante...

Mas é… porque nem que eu queira muito, consigo desligar o chip. Eu já trabalhei numa loja e a minha maior diversão era entrar em pessoas, quantas mais melhor, para eu ver mais formas de falar, sotaques, dicções...

Eu acho que esta é daquelas profissões que tu não escolhes, mas que és escolhido para.

 

No teu caso em específico, como é que é o teu processo de encarnar diferentes personagens?

Cada trabalho, para mim, tem que ter: um tom de voz diferente, um cheiro, todos os personagens têm um cheiro… ou seja, imaginas que tens um personagem super querido, super docinho, se calhar o cheiro na minha cabeça, vai ser água de colónia. A personagem que estou a fazer agora, por exemplo, defini que o cheiro é Sonasol. Porque é um cheiro que é agressivo, que é forte, que te pode incomodar, que nunca te deixa confortável, mas que tem um quê que me agrada, a mim. Como há pessoas que sentem o mesmo com o cheiro da gasolina ou assim… como agora, este é uma personagem com uma certa sede de vingança e raiva, é mais antagonista, foi o cheiro que eu defini - Sonasol. Sempre que estou a gravar cenas com esta personagem, tenho sempre em mente este cheiro. O que em termos de expressões, me dá uma fisicalidade muito diferente. 

Também há o animal, por exemplo. Cada personagem remete para um animal. Porque o animal é algo com que tu facilmente fazes associações… “ai tão querido, parece um gatinho”, “ai tão fofinho como um ursinho”, ou tens um ar muito agressivo, tens cara de réptil… 

E depois há também os gestos. Consoante a história, há um gesto psicológico para tudo. A psicologia explica isso. Uma pessoa que sofra de violência doméstica, há uma série de gestos que faz constantemente. Tu consegues pegar em qualquer perfil e através da psicologia, tens um gesto que identifique o comportamento típico daquela pessoa. Eu quando fiz a novela “Destinos”, como a personagem era mal tratada pela madrasta, estava sempre a segurar no pulso (que é um gesto típico quando os teus pais te pegam quando te portas mal), ou seja, foi um tique que apanhei na novela. E mesmo que as pessoas não se apercebam, tornas o personagem muito mais rico com estes pormenores.

 

E como é que fazes o “detox” da personagem?

Eu acho que nunca fazes. À medida que vais fazendo personagens uns atrás dos outros, há sempre qualquer coisa que fica para sempre. Às vezes uma forma de olhar… basta quereres e encontras sempre formas de te reinventar, agora... é muito difícil apagar isso totalmente. Quando fiz “Destinos”, como passei um ano inteiro com um personagem sempre de cabeça para baixo, eu dei por mim no meio da rua… isto já 6 meses depois de ter acabado e sem me aperceber, eu já andava assim… e eu não era nada assim. Sempre tive uma boa postura, toda esticadinha, fiz ginástica e ballet e acabei por ganhar uma postura muito fechada por causa daquela personagem. E até agora, tenho andado a contrariar isso.

 

No caso do teatro, como estás menos tempo com um personagem, como funciona o teu processo?

Eu fiz revista, que é um bocado diferente. Há pouco tempo fiz uma revista que correu o país todo, onde tive que fazer 12 personagens… ou seja, é outro processo que não é o mesmo do teatro tradicional. Eu fazia uma surda-muda, fazia uma brasileira, fazia uma portuense… sotaques diferentes, linguagem corporal diferente, é outro processo… é não te agarraress muito, não delineares muito e saberes que tens de mudar num click. Tambem fiz de homem… não te apoderas totalmente, emprestas-te ali 2 minutos àquela e a seguir à outra, não aprofundas assim tanto como no teatro ou na televisão.

 

Quando estás em palco, como é que reages com o público? Precisas de sentir a reacção do público ou preferes silencio para te concentrares melhor?

Pensei que ía entrar em pânico se as pessoas falassem, mas não, precisas. Precisas mesmo que as pessoas falem e olhem. Estás muito menos concentrado quando estás a ensaiar e não tens público. Até isso é doentio, porque eu não gosto particularmente que olhem para mim. Pensei que ía ter um colapso quando sentisse pessoas a olharem para mim, que não foi o caso. Precisas mesmo, quanto mais, mais fácil. É muito estranho, porque a seguir acabas e não queres que ninguém olhe para ti. Portanto, isto não faz muito sentido, pois não? (risos)

 

Se a sala estiver em silêncio absoluto, como é que te sentes?

Por exemplo, neste espectáculo de revista… nós precisávamos de silêncio. Silêncio é uma coisa que tu precisas no teatro. O que não quer dizer que o público não te esteja a dar tudo o que tu precisas, quando te estão a dar silêncio. Mas tinhas outros momentos em que, o teu trabalho é em função das gargalhadas daquelas pessoas. Se eles não se riem quando é suposto, estás a falhar. Ou seja, precisas mesmo de tudo o que eles te possam dar. O silêncio, quando é para ser silêncio e o público sabe quando é para fazer o quê, da parte séria quando é séria e da parte cómica, quando é cómica, das gargalhadas, tudo. Tu precisas disso tudo, com bom senso. Como tu precisas na vida, que um dia, um amigo teu te faça rir porque estás mais em baixo. Noutro dia, que te saiba respeitar e que saiba que é mais pelo silêncio. Precisas mesmo disso, como nós precisamos uns dos outros na vida.

 

Há muita gente que pensa que ser actor é apenas ler/seguir um guião. Eu sei que não é assim, mas conta-me um pouco daquilo que fazes para desenvolver a tua criatividade. Como é trabalhas no sentido de estar minimamente preparada para qualquer que seja o próximo papel? Até porque, na maioria das vezes, vocês não têm assim muito tempo para preparar um personagem...

Nós de facto não temos muito tempo, mas o pouco tempo que temos sabemos exactamente o que fazer com ele. Ou seja, quando te dão um papel novo… ainda agora, o papel que estou a fazer neste momento, entregaram-mo numa 6ª feira e na 2ª feira já estava a gravar! Mas como o teu trabalho é diário… como tu existes todos os dias, como todos os dias sais à rua, todos os dias falas com pessoas diferentes, todos os dias vês séries/filmes/televisão… todos os dias trabalhas qualquer coisa. Vão-se fazendo workshops nesta área também. Isto nunca é um círculo fechado… há áreas que vais estudando, quanto mais melhor. Nós também nos reinventamos muito por aí, quando temos aulas, ou quando fazemos um workshop diferente com um método diferente, mesmo que não nos sirva totalmente, guardamos o que nos parece importante. E quando chega um papel e que seja assim tudo muito rápido… o pouco tempo que tens… és sempre tu todo, em tudo aquilo que fazes, como diria o Fernando Pessoa 😃

 

Caso queiram ver mais da Inês Curado, espreitem AQUI as fotografias da primeira vez que trabalhámos juntos e podem acompanhá-la também no Instagram: @icurado